Respira fundo e vai.

Há momentos que dar um basta é necessário. Quando pequenos a Tia ensina: “Gente, vamos usar as palavrinhas mágicas!

Regrinha n° 1 – Bom Dia!, Boa Tarde!, Boa Noite!

Regrinha n° 2 – Como vai? Você está bem?

Regrinha n° 3 – Obrigado, Volte Sempre!, Por favor!

Mamis e Papis diziam também: “Filho, soltar pum e falar palavrão é feio! Menino, guarda esse dedo!”

Assim sendo, a gente cresce, com princípios, caráter suficientemente bom (nem todos) e, treinados pra ser aquilo que a sociedade quer.

Aí, a gente como Demolay aprende que a gente tem que tentar seguir 7 virtudes. Sete focos luminosos que deverão nos conduzir durante toda a vida. Aprendemos também as Lições de Lealdade, Tolerância, Paciência (apesar do mártir não ser Jó!). É tanta coisa pra seguir, que às vezes a virtude que mais sai machucada de todas é a Cortesia, pelo simples fato de que seguir isso tudo, sem se estressar e mandar o mundo ir…pro espaço é quase impossível. A gente tenta, a gente quer, a gente luuuuuuuta pra seguir em frente e ser alguém, mas tem gente que parece que veio pra tirar a gente da rota. Nós, DeMolays (tem as exceções) ficamos a vida inteira com 7 velas acesas lutando contra vendavais pra que as chamas não cessem. Aí, quando o vento acalma, chega trilhões de pessoas dispostas a soprá-las. E aí? A gente faz o que? Joga as 7 velas na cara deles? Pega as 7 velas e coloca-as numa caixa longe do vento? Grita? Chora? Pede socorro? Ou pega de uma vez e sopra tudo e pára de brincar de ser gente decente?

 

O Reverente está no fim de uma semana linda. Muito boa! EspetÁCULO de semana. Ele espera que o fim de semana seja no mínimo bom. Porque continuar seguindo com as 7 velas acesas está muito difícil hoje, ele só ora e pede a 2ª Virtude (Reverência pelas Coisas Sagradas) que o guarde, o ilumine, acalme e, entenda que seguir regras alheias e que não são a sua vontade, às vezes se faz necessário. Amém.

 

Ufa!

Cinzas…

Quarta-Feira de Cinzas, do Wikipédia:

quarta-feira de cinzas é o primeiro dia da Quaresma no calendário cristão ocidental. As cinzas que os cristãos católicos recebem neste dia é um símbolo para a reflexão sobre o dever da conversão, da mudança de vida, recordando a passageira, transitória, efêmera fragilidade da vida humana, sujeita à morte. Ela ocorre quarenta dias antes da Páscoa sem contar os domingos ( que não são incluídos na Quaresma); ela ocorre quarenta e seis dias antes da Sexta-feira Santa contando os domingos. Seu posicionamento varia a cada ano, dependendo da data da Páscoa. A data pode variar do começo de fevereiro até à segunda semana de março.

Alguns cristãos tratam a quarta-feira de cinzas como um dia para se lembrar a mortalidade da própria mortalidade. Missas são realizadas tradicionalmente nesse dia nas quais os participantes são abençoados com cinzas pelo padre que preside à cerimónia. O padre marca a testa de cada celebrante com cinzas, deixando uma marca que o cristão normalmente deixa em sua testa até ao pôr do sol, antes de lavá-la. Esse simbolismo relembra a antiga tradição do Médio Oriente de jogar cinzas sobre a cabeça como símbolo de arrependimento perante Deus (como relatado diversas vezes na Bíblia). No Catolicismo Romano é um dia de jejum e abstinência.

Como é o primeiro dia da Quaresma, ele ocorre um dia depois da terça-feira gorda ou Mardi Gras, o último dia da temporada de Carnaval. A Igreja Ortodoxa não observa a quarta-feira de cinzas, começando a quaresma já na segunda-feira anterior a ela.

Relembrar a nossa mortalidade? Vivemos como se nunca fossemos morrer e morremos como se não tivéssemos vivido. O ser humano é uma espécie estranha, levada por tantos pensamentos e sentimentos que não tem como descrever ele simplesmente. 

Desde o princípio ele é marcado por aqueles que o cercam, construindo dessa forma sua mentalidade e circulo social. A Ordem é uma excelente maneira de estreitar laços e amplia-los. Com a Ordem ganhamos novos amigos e irmãos em nossas causas.

E também na Ordem, vivemos nossos dias de lembrar que não somos imortais na Ordem e na vida. Por exemplo ao ver Cerimônias da Maioridade e ver aquele Senior Turrão deixar seu Capítulo.

Ainda não passei pela minha Cerimônia, mas já vi várias, é muito diferente. Devo passar pela minha esse final de semana. Acredito que será um momento único, como tantos outros que já presenciei e participei na Ordem. Vamos ver como será, né?

Que os Irmãos possam aproveitar seu tempo de DeMolay Ativo na Ordem de maneira digna, virtuosa e correta. E atingir uma maioridade de plenitude e contemplando um trabalho bem feito.

Semana que vem vamos falar sobre trabalhos bem feitos…

Olha a Carapuça!!!

Muito já me foi perguntado sobre os segredos da Ordem, e todas as vezes respondi que não poderia contar, pois prometi. Assim sendo, fui pego repetidamente pela indagação:

_Mas o que vocês fazem lá? , com ar de suspense e curiosidade.

Continuei convicto numa resposta que dizia:

_Discutimos assuntos e filantropia.

E novamente me questionavam:

_Mas não falo disso, quero saber ritualística, os segredos!

Logicamente que se é segredo, eu não devo contar ora!

Tudo que desperta curiosidade faz com que as pessoas profanas, mães, pais, vizinhos, amigos, filhas de jó, garotas arco-iris e outra multidão de pessoas fiquei tentadas a descobrir, pesquisar, querer saber, indagar. Pra quê?!

No que nossa Reunião poderá melhorar a condição de Filha de Jó da prima que questiona? No que o que fazemos ou não lá dentro interferirá na vida da minha família e dos meus amigos?

Se é sigilo, deve ser sigilo e assim prosseguir.

Sempre digo aos garotos: “Se querem que a nossa Ordem seja respeitada, respeite as outras, e acima de tudo respeite-nos também.”

Todos sabemos: colhemos o que plantamos. Falando coisas que não deveria ser faladas só estaremos depreciando nossa Ordem e revelando aquilo que juramos guardar.

Um de nossos segredos, senhores leitores, creio que seja perceptível aos olhos do mundo todo, é a Fraternidade. Ah! Digna Fraternidade! Posso dizer que, as minhas melhores amizades, encontrei foi em nossas fileiras. Mas posso dizer também que como em todo lugar, encontrei nelas também falhas horrorosas. Percebi que enquanto pregávamos a tal “Fraternidade”, nos defrontávamos com o contrário dela dentro de nosso próprio convívio. O que mais se vê hoje são DeMolays que não entenderam ainda o valor da Fidelidade, Companheirismo, Confiança e Lealdade. O que mais se vê hoje, são demolays que possuem 2 vidas: Intra-capitular e Extra-capitular.

Dentro, fala bem, decora bonito, apresenta de forma magnífica, e age como um sarraceno perante toda a sociedade extra-capitular.

Como lidar com isso?! Cabe ao Mestre Conselheiro (ou alguém que tenha moral pra falar) intervir, tentar o diálogo, mostrar outro caminho, outra forma de se fazer a mesma coisa, porém de forma mais legal, mais clara, mais limpa, mais PURA.

E caso isso não resolva, devo me retirar do Capítulo, já que está me fazendo mal?

Não. Creio que não. Pensei em sair algumas vezes, mas um sábio herói que conhecia lá dentro chegou e me disse:

_Calma Reverente, não saia, quem é DeMolay haverá de permanecer, o resto é passageiro, por ali entrou, por ali sairá. Calma. Lembra-se das lições de Tolerância?

Assim o foi. Assim o é. Assim será.

Hoje permaneço lá, assim como o Amoroso no dele, há anos. E de lá não me retirarei fácil não. Já tolerei muitas coisas, engoli coisas que não poderia, ou não queria engolir, já passei por coisas ruins, mas nunca me esqueço das boas coisas que ali vivi. E isso haverá de permanecer.

Se pudesse aconselhar cada um que lesse este texto, diria que sempre que estiver magoado com algo, não se recorde apenas deste mau colocado, mas lembre-se dos momentos bons que antecederam isso.

Além de confortar, isso nos motiva a seguir em frente.

 

O Reverente está cansado de DeMolay fofoqueiro e de DeMolay que fala demais. Ele está seguindo dentro do trem, já tentou pular do vagão, mas o seguraram. Ele hoje está bastante decepcionado, mas motivado a continuar, porque crê que coisas melhores estão por vir. Deus há de nos salvar de trevas e saibam vocês que “Quem fala mais, erra mais.”