PTP + AC = SHS

Todos sabemos que nossos trabalhos dentro da Ordem DeMolay, são feitos em conjunto com outras pessoas. Todos os Capítulos trabalham com autonomia, porém todos carregam junto de si a obrigação de zelar pelos segredos e princípios da Ordem.

Ok!

Um Supremo é composto por cargos que tem por meta a organização nacional da Ordem, seja em aspecto de Grandes Capítulos ou Grandes Conselhos quanto, na questão de organização Capitular em Estados onde a Ordem ainda não se espalhou.

Os Grandes Capítulos e Conselhos são compostos também por outros cargos, com outras funções e outras pessoas que também possuem a meta de organizar o Estado.

Cada região é composta por outros cargos chamados Oficialarias que possuem também a função de organizar a Região. E finalmente cada cidade possui um Capítulo que possui outros cargos e que tem por função manter a Ordem viva e com princípios rígidos.

Um depende do outro, construindo assim a chamada “interdependência”.

Como em todo trabalho em grupo neste também se faz necessário ter prudência, tolerância e paciência. O que é mais difícil nisso tudo é ter calma na hora de discutir ou debater algum assunto. São pessoas que cresceram em lugares diferentes, famílias diferentes, possuem características distintas e acima de tudo uma educação e princípios diferenciados. Isso causa atritos, conflitos e também choques de personalidade.

É necessário compreender que o outro tem suas justificativas e sua opinião própria, mesmo que isso seja difícil pra gente aceitar ou concordar.

E o auto conhecimento? Você se conhece por completo? É necessário nos conhecermos para que possamos ao menos entender um pouco o outro. Eu no lugar dele faria o que? A mesma coisa ou seria diferente. Sejamos justos e realistas: pra um bom trabalho em equipe funcionar a receita é:

 

PTP + AC = SHS

 

Prudência, Tolerância e Paciência + Auto-Conhecimento = Sintonia, Harmonia e Sucesso.

 

O Reverente tenta. Tenta. Tenta. Um dia ele consegue.

Liderar com Fé.

Liderar é crer. Crer que tem doado o melhor de si.

Liderar é temer. Temer ser tolo. Não na escolha, mas na arte de liderar.

Liderar é ser persistente e seguir em frente mesmo que todos já não queiram mais seguir junto com você.

Liderar é ser o primeiro a chegar e o último a sair.

Liderar é ser ouvinte sempre. E falar quando conveniente.

Liderar é saber medir palavras, mas não medir esforços.

Liderar é complexo demais para quem é preguiçoso demais.

Liderar exige esforços maiores do que tudo aquilo que nós um dia pensamos.

Liderar é ter uma vontade imensa de ser o melhor e assim, fazer o melhor.

Liderar é tentar tolerar. Seja a injustiça, seja a falta de vontade, seja a falta de reconhecimento, seja o simples fato de tolerar a nossa própria inexperiência em liderar.

Liderar é gritar sozinho em casa depois de um momento de grande martírio.

Liderar é gritar meio a todo mundo a vontade imensa de ganhar a batalha e mostrar: NÓS PODEMOS. NÓS QUEREMOS. NÓS CONSEGUIMOS! Mesmo tendo lutado sozinho.

Liderar tem “Li” de limite, “De” de Dedicação e um “Rar” de Raridade.

Muitos são os caçadores de colares, poucos são os líderes de verdade.

Muitos são os que almejam. Poucos os que têm a verdadeira oportunidade.

Muitos são os que conseguem chegar até o posto. Poucos são aqueles que ali saem com a consciência de dever devidamente cumprido.

Muitos são os que fazem o cargo, mas poucos sabem fazê-lo com maestria e simplicidade.

Comandar é para muitos, liderar é para poucos.

Glorificar-se é o objetivo de muitos, mas ter a consciência sã e com felizes lembranças é privilégio de menos que isso.

Ser líder é conquistar pessoas que são mais amigas que seguidoras.

Ser líder é ter mais puxadores. Seja de “saco”, seja de “tapete”.

Ser líder é atrair para si: problemas e soluções; admiradores e invejosos; dores e saudades.

Ser líder é sentir um frio na barriga a cada reunião. E sentir um peso enorme nas costas quando precisar decidir algo jamais esperado.

Ser líder é vivenciar brigas, e assim, saber como lidar com cada confronto.

O bom Líder ensina. O mau Líder castiga.

O bom Líder demonstra. O mau Líder exige.

O bom Líder pede. O mau Líder obriga.

O bom Líder dá o exemplo. O mau Líder manda fazer e ponto final.

O bom Líder analisa. O mau Líder critica.

 

A crítica pode criar ferida. Um “muito obrigado” pode acalmar os ânimos. Já dizia o dito: “O mal fiz uma vez, e nisso sempre falaram; o bem fiz duas vezes, mas nisso nunca falaram.”

E apesar do líder ser tudo isso, ele deve saber que ele ainda tem muito a melhorar. E saber por isso, aprender também. Ter em mente a seguinte afirmação: “Todo homem que encontro é superior a mim em alguma coisa. E nesse particular eu aprendo com ele.”

 

O Líder é o que sabe tirar proveito de cada nova experiência e assim, se tornar melhor.

Poderia falar: “Das fileiras vim, às fileiras retornarei.” Mas, preferi encerrar o post dizendo algo diferente, mas com o mesmo fundamento. Se possível, carregue sempre isso consigo:

 

 

“Passarei por este caminho uma só vez; por isso qualquer bem ou gesto de bondade que eu possa fazer em benefício do ser humano e de minha Ordem, que eu faça já. Que eu não adie ou negligencie, pois por aqui jamais passarei novamente.”

 

O Reverente tem uma esperança enorme de que o número de líderes em nossa Ordem se duplique. Assim como tem um pesar imenso em pensar que isso talvez não aconteça. Mas por via das dúvidas, sabe que todo bom Líder tem Fé. E tendo Fé, pede ao Pai Celestial que crie em muitos o desejo de servir, a vontade de melhorar, e a possibilidade de permanecer. Líder é aquele que ama a causa pelo simples fato dela existir.

Tolerância e Persistencia para o segundo…

Acatei a idéia d’O Reverente.

Quem fez ou pelo menos tentou fazer a lição de casa deve ter percebido que tentar ser tolerante é deveras difícil, pode parecer que sempre falta algo a mais. Tolerar é: aceitar as pessoas como elas são, entender as diferenças (Viva as diferenças) e tantos outros exercícios de paciência.

Devemos persistir em nossos passos, afinal somos brasileiros e não desistimos nunca. Ter tolerância é destruir os nossos inimigos. Por que? Ao meu ver ser tolerante é demostrar compreensão com os diferentes, dessa forma como haverá desentendimentos se você e eu aceitamos que pensamos diferente? Mas para termos essa tolerância devemos destruir nosso inimigo interior primeiro, que com frequência nos faz agir com egocentrismo e orgulho, nos fazendo desrespeitar os demais.

Na Ordem, vivemos isso com grande freqüência até temos coragem para dar o primeiro passo, mas será que temos tolerância e persistência para continuar em um caminho de retidão? Falta-nos tolerância principalmente para entender os motivos de nossos irmãos e o pior sem julga-los.

Na disputa por um cargo, por uma idéia ou até mesmo contra uma sanção, não temos tolerância em compreender os fatos que serviram de base para formar a compreensão daquele que estamos tendo embate. E nos apressamos em julgar as pessoas. Esquecemos do poder da palavra ‘irmão‘ que pesa muito mais que ‘amigo’ . Por diversas vezes tratamos nossos irmãos de maneira diferente de um amigo, quantas vezes vemos em meio a um tumulto o MC dizer “Pessoal, senta todo mundo” ao inves de dizer “Meus Irmãos, sentem-se“. Deu para perceber a diferença?

Então volto a dizer, que tenhamos cada vez mais tolerância e que persistamos nessas práticas que podem cada vez mais melhorar nosso convívio.

E fica o lição:

Eu serei persistente.

Tu serás persistente.

Ele será persistente.

Nós seremos persistentes.

Vós sereis persistentes.

Eles serão persistentes.

E quem quiser postar textos aqui no blog, manda e-mail. Não esquece de votar na enquete!

Abraços fraternos meus irmãos e amigos d’O Companheiro.

Fazendo o “Para Casa”.

Conjugação do verbo da Lição número 1:

 

Antes da O.D

Eu não tolerava.

Tu não toleravas.

Ele não tolerava.

Nós não tolerávamos.

Vós não toleráveis.

Eles não toleravam.

 

Depois da O.D

Eu estou tentando tolerar.

Tu estás tentando tolerar.

Ele está tentando tolerar.

Nós estamos tentando tolerar.

Vós estais tentando tolerar.

Eles estão tentando tolerar.

 

Um dia…

Eu tolerarei.

Tu tolerarás;

Ele tolerará

Nós toleraremos.

Vós tolerareis.

Eles tolerarão.

 

Que o Moço do Céu, ajude-nos a cumprir.

 

O Tio Reverente ficará feliz em ver que estão conseguindo colocar em prática a lição de casa. Assim como pede aos antigos tolerantes que voltem a tolerar, aos atuais tolerantes que permaneçam tolerando e aos futuros tolerantes que tentem ao menos cumprir a lição aprendida.

Quem diria… Não é que censuraram a Liberdade…

Boa nnoite leitores do CdPQ… É com parzer que após uma seman volto a escrever para vocês.

O post de hoje é meio que uma indignação. Vai ser um prato cheio para os comentários do Dínamo, mas tudo bem… de vez em quando essas coisas acontecem e eu como um interlocutor mensageiro de palavras arbitrárias de consientização popular, tenho que me manifestar a respeito deste fato.

Há alguns dias eu pedi ingresso numa das Listas Nacionais de discussão, o meu e-mail opurodm@gmail.com, queria fazer parte desta famigerada família virtual para poder contribuir e também fazer o marketing do nosso blog Caí de Paraquedas. Pensei, “eu sendo um DM com bastante estrada, seguidor ferrêneo dos preceitos da Ordem, ativo em meu capítulo, ativo na ordem de meu estado… devo ser aceito.” Mesmo usando um pseudônimo, apenas por questão de sigilo… Mas sou DeMolay como todos, e gostaria de fazer parte da lista…. Que na verdade até já faço, mas não me manifesto muito.

Pois não é que para minha surpresa, meu pedido foi negado pelos CEIFADORES, digo, Moderadores. E o pior, não me deram uma justificativa, nem satisfação.. só me negaram e pronto. Pôxa podiam ter pelo menos dito: “Camarada, você é muito feio. A gente não vai te aceitar não.”

É direito e responsabilidade dos mantenedores das Listas aceitar ou recusar os que se propõem a ingressá-la. Porém a forma como me negaram, lembrou-me um pouco do Regime Militar de décadas atrás. Me senti um cidadão de Uganda no filme “O Último Rei da Escócia” (excelente filme, diga-se de passagem).

Eu acredito que os Moderadores, pelas sete chamas que juraram velar, deveriam cultivar mais o conceito de Liberdade. Principalmente o da LIBERDADE DE EXPRESSÃO. É verdade que de tempos em tempos aparece um engraçadinho tentando tumultuar a vida das listas, porém, só com o tempo, vendo minhas participações na mesma poderiam me taxar assim, e convidar a retirar-me. Mas preferiram nem correr o risco. Cortaram foi baixo, antes mesmo do dia amanhecer. Medo? Receio? Ditadura? vai entender.

Enfim, acho que a VIRTUDE da LIBERDADE deve ser mais cultuada e trabalhada entre os moderadores desta Lista em questão.

Recolho-me à minha insignificância, e volto apenas a participar deste veículo de COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO LIVRE para todos os DEMOLAYS do Brasil e do Mundo participarem…

Não sou e nem quero ser melhor do que ninguém… Prefiro ser o pior e continuar aprendendo.

O PURO – Algemado e Amordaçado.

Irmãos, irmãos; erros à parte

A gente tá careca (uns mais que os outros) de saber que nem todo DeMolay é irmão e que nem todo irmão é DeMolay. Pois bem. E a gente sabe também que, uma vez iniciados na Ordem, temos que nos defender mutuamente e ter nossos irmãos com senimentos verdadeiros e respeitosos. Certo?

Errado. Nem sempre é assim. Nem sempre temos a opção de “passar a mão na cabeça” de um irmão e, quando isso acontece, é quase sempre fato que há um alvoroço gigantesco, com muita falta de compreensão e sentimento de revolta.

Nessa minha vida de DeMossauro, já tive a péssima experiência de me envolver demais com o problema de vários irmãozinhos e, por achar que meu dever de irmão é muito mais que bajular, acabei puxando a orelha quando constatei o erro deles. Pôxa, ser irmão não é isso? Não é dar aquele famoso “toque de amigo” quando algo tá fora do previsto? Então! Por que será que todos acabam virando a cara e dizendo coisas do tipo “nós somos irmãos e você deve ficar do meu lado acima de tudo”?

Me cansa esse faso moralismo de que “DeMolay defende DeMolay em todas as ocasiões”, viu? Tá que aprendemos a ser tolerantes, a respeitarmos, a sermos companheiros e a dar o benefício da dúvida… Mas se tiver que concordar com o erro para ser DeMolay eu tô fora, viu? E tem mais: faltei no Capítulo quando ensinaram isso. Eu e meus mais valorosos irmãos, inclusive.

Não sei ao certo dizer se o melhor é não se envolver demais ou se a nossa opinião deve ser explicitada desde o começo. Só sei que deviam ensinar todo DeMolay a separar mais as coisas e não achar que tem costas quentes só por ser DeMolay: é aí que o maior erro começa.

*******

Precisa falar que O Cortês cansou-se de gente assim?

A Vida é a arte do respeito, embora haja tanto desrespeitos pela vida…

Olá leitores do Caí de Paraquedas… Gostariam primeiro de me dirigir ao meu Irmão O Amoroso, e pedir licensa para postar juntamente com ele neste dia.

Vinícus de Morais escrevreu: “A vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida.” Realmente… Uso esta frase de Vinícius para comentar sobre um negócio que intrigou-me esta semana lá no meu capítulo.

Estava ocorrendo uma reunião de mesa redonda e a discussão estava até bem interessante, todos participando entre DeMolays ativos e Seniores… Aí um sênior de grandes serviços prestados em muitos anos de Ordem fez um comentário sobre o assunro em questão e, do nada, foi hostilizado por um outro DeMolay que já tinha ocupado um alto cargo estadual. Bem não foi assim bem uma hostilização, mas colocou em dúvida a integridade e ética deste nosso irmão sênior.

Acompanhei com um pouco de repúdio, pois por mais que o irmão sênior tenha sido um pouco negligente tempos atrás, o outro não poderia ter agido daquela forma, principalmente por conta de tudo que o “velhinho” já cosntruiu em prol do capítulo. Lembrei de outra música, agora do Jorge Aragão chamada “Moluque Atrevido” onde ele fala “Respeite quem pôde chegar onde a gente chegou.”

Por tudo que o camarada já fez no capítulo, Respeito é mínimo que ele pode receber em troca. E acho que a tolerância e o benefício da dúvida foram deixados de lado principalmente quando essa besteira de cargos sobe à cabeça de nossos jovens dirigentes. Então parafraseando Vinícius de Morais: A Vida é a Arte do RESPEITO, embora haja tanto DESRESPEITO pela vida.

O Puro (respeitosamente)

  • Agenda

    • julho 2017
      D S T Q Q S S
      « jan    
       1
      2345678
      9101112131415
      16171819202122
      23242526272829
      3031  
  • Pesquisar