Sois DeMolay?

“Lógico! Você foi na minha iniciação! Não tá lembrado? Foi naquele dia que o MC falou que a mãe dele ia parar de reclamar, pois a gestão ia acabar”.

Cena nova pra você? Pra mim não. Infelizmente!

Em um dos Capítulos que visito, já cansei de ensaiar as formações da ritualística DeMolay. Toda iniciação, toda elevação é a mesma coisa: não sabem como fazer nada! Aí fico com aquela triste sensação nostálgica: no meu tempo os DeMolays costumavam decorar as falas e as movimentações. Conversando com um Irmão essa semana, ele foi bem Franco ao dizer que estamos fadados à extinção. E eu fiquei refletindo sobre o assunto. Se eu acho o DeMolay tão bom, por que estaríamos destinados a acabar?

Chamei um colega de faculdade pra ingressar no DeMolay e, depois de muito resistir para dizer não (tinha medo de como eu reagiria), ele negou ter interesse. Não entendi. Mas cada vez mais começo a pensar como ele parece infelizmente estar certo (maldito, maldito, maldito, mil vezes bendito) – rende outro post

1º ponto: os jovens estão cada vez mais vazios. Nossas cerimônias não são fórmulas vazias, mas se os jovens a quem elas se destinam estão cada vez mais vazios, não nos resta muitas opções para iniciação. Podemos mudar a juventude? Duvido! As revoluções culturais parecem ter se estancado após maio de 1968, a não ser por figuras que estão mais próximos de rebeldes sem causa do que para modificadores do entorno – vide ídolos do pop/rock, a exemplo de Renato Russo e Cazuza, que modificaram padrões, porém foram incapazes de mudar o forma dos jovens pensar a vida.

2º ponto: Uma organização com quase 90 anos de existência, se não se adaptar a uma série de mudanças vai realmente acabar. O próprio DeMolay International enfrenta o esvaziamento das fileiras nos EUA, com o aumento nada discreto das ofertas de consumo para os adolescentes – quando criada, a DeMolay lidava com crianças também, já que adolescente era a partir dos 14 ou até 15 anos. Se tem games diversos (sem relacionamento interpessoal), se tem opções de diversão mais solitárias, os nossos atuais colegas de classe – jovens – não se interessam por mais do mesmo que é o que temos nos tornado.

3º ponto: Essencialmente, a DeMolay pode até ser perfeita. Seus membros, como já se sabe não o são. O problema é que nem buscam ser – ou tentam. É difícil tentar colocar em prática aqueles Sete princípios que ensina a Ordem? Pelo que eu ando vendo, é impossível. Não nos entendemos internamente. Nossas instituições viraram cabide de colares. Alguns acreditam piamente que nasceram para isso, e se fecham num clubinho tão escroto que nem sabem que existe um mundo lá fora. Esquecendo dos princípios pra que fomos criados, pra que existir?

4º ponto: PUTAQUEPARIU! Idiotas que somos, olhamos para o próprio umbigo o tempo todo e nem vemos o que nos circunda. E, quando o fazemos, taxados de idiotas pelos que não são DeMolays, abandonamos os objetivos por vergonha. Quem tem vergonha não é homem. Quem tem vergonha de dizer que faz o que faz é um fraco! Se você se sente tímido ao ouvir alguém perguntando o que é DeMolay – a depender da situação – não merece estar num grupo como ele. E, por pessoas como você – e eu – o DeMolay está fadado a acabar!

O Amoroso está cada vez mais decepcionado com seus Irmãos. E com a vida. E com o Brasil. E com tudo!!!

PAREM O MUNDO! EU PRECISO DESCER!!!