“I have a dream”

“I have a dream”, ou, em bom português, eu tenho um sonho. Em 1968, mais de 200 mil pessoas assistiam a um dos discursos mais célebres da história dos Direitos Civis nos Estados Unidos e no mundo. Proferido por Martin Luther King, grande ativista do movimento negro norte-americano (ou estadunidense, para os de posicionamento menos direitistas), o discurso entrou para a história não apenas pelo seu conteúdo, emblemático para aquele momento em que os ânimos se exaltavam por questões raciais, mas por profetizar que, num futuro, brancos e negros estariam juntos, construindo um País melhor. Talvez essa seja também uma forma de iniciar uma fala para os membros da Ordem DeMolay hoje. Seccionados por uma briga que não é deles, distanciados dos ideais de fraternidade que norteariam sua organização, esses jovens, iguais a mim, a você e a vocês, estão enfraquecidos. Quando Dad Land criou essa Instituição, em 1919, os jovens fundadores pediram que aqueles ensinamentos ficassem restritos àquele grupo. Seu criador, fundador e membro mais querido, disse então que, se eles achavam aquela organização tão boa e tão perfeita, por que restringir os ensinamentos à apenas um reduzido grupo? A Ordem DeMolay, desde o seu nascedouro, foi perfeita. E ainda o é. Seus membros é que não. Graças ao Pai Celestial, Grande Arquiteto do Universo. Embates e debates fazem parte da vida de qualquer instituição e de qualquer homem, seja ele jovem ou velho. Fazer isso sadiamente é o que pode diferenciar um DeMolay de um jovem qualquer. Mas isso acontece? Por momentos tão tolos, aspirações tão pífias e sentimentos tão mesquinhos, vê-se ruir aquilo que tanto se lutou para construir. Seus membros, imaturos e inexperientes, manipulados ou erroneamente orientados, como eu, você ou vocês, acabam por cair em armadilhas que levam a atravessar pontes que não deveriam ser atravessadas. Não ainda. Não nesse determinado momento. Só que errar faz parte do crescimento. Faz parte da construção de caráter e do rascunho que faz dos homens o que eles são: homens. E das instituições. Assim, constrói-se e destrói-se para se reconstruir aquilo em que se acredita. Errando. Aos DeMolays, cabe o benefício da dúvida. Cabe, baseados nas Sete Virtudes basilares da Ordem, apreender que para cada passo, em falso ou acertado, haverá um número gigantesco de conseqüências e que, nem sempre, o preço a ser pago por uma decisão aqui e agora vale a pena. Eu tenho um sonho. Vejo no futuro aquilo que os DeMolays são: o futuro. Um futuro para tornar feliz a humanidade. Quando os embates e os debates se limitarão a discutir um melhor lugar para se viver. Quando seremos aquilo que Dad Land planejou e aquilo que Luther King pediu a brancos e negros nos Estados Unidos de 1968: irmãos. E que, além de irmãos, todos tenham plena consciência do seu poder transformador, transformante e transformado na e da sociedade. Esse não o sonho de apenas uma pessoa. É o sonho de boa parte daqueles que já passaram pelas intermináveis fileiras dos Capítulos, usando as jóias que adornam a coroa da juventude, Amor Filial, Reverência pelas Coisas Sagradas, Cortesia, Companheirismo, Fidelidade, Pureza e Patriotismo. Que sentaram nos campos dos escudeiros e dos pajens. Que reverenciaram Jacques DeMolay desde sua prisão até a sua morte, quando, portador de inúmeras comendas consumiu-se em fogo para preservar sua fraternidade e seus companheiros. É também o sonho de quem fez parte de um passado pródigo e, às vezes, não tão pródigo. É a esperança daqueles que, por circunstâncias da vida, infelizmente, não tiveram a oportunidade que eu, você e vocês tiveram. Que o sonho deixe de ser apenas um sonho. Que se torne realidade, no menor tempo possível. E, para isso, que sejamos, mais do que nunca, IRMÃOS. Obrigado Pai Celestial! Obrigado Grande Arquiteto do Universo! Obrigado a todos vocês por existirem e acreditarem que o mundo pode e deve ser melhor! Obrigado!

Discurso proferido por um alguém, em um Congresso DeMolay qualquer e que não cabe mencionar o lugar, o autor ou o leitor ou as testemunhas que ouviram. O Amoroso achou ele bonito e resolveu copiar, com a devida autorização de seu criador. o vídeo inicial é apenas pra dinamizar e diferenciar o post feijão com arroz normalmente feito por esse para-quedista.