O monge ferido

Um monge e seus discípulos iam por uma estrada e, quando passavam por uma ponte, viram um escorpião sendo arrastado pelas águas. O monge correu pela margem do rio, meteu-se na água e tomou o bichinho na mão. Quando o trazia para fora do rio o escorpião o picou. Devido à dor, o monje deixou-o cair novamente no rio. Foi então à margem, pegou um ramo de árvore, voltou outra vez a correr pela margem, entrou no rio, resgatou o escorpião e o salvou. Em seguida, juntou-se aos seus discípulos na estrada. Eles haviam assistido à cena e o receberam perplexos e penalizados.
— Mestre, o Senhor deve estar muito doente! Por que foi salvar esse bicho ruim e venenoso? Que se afogasse! Seria um a menos! Veja como ele respondeu à sua ajuda: picou a mão que o salvava! Não merecia sua compaixão!
O monge ouviu tranqüilamente os comentários e respondeu: — Ele agiu conforme sua natureza e eu de acordo com a minha.

Muitas vezes ocorrem certas coisas em nossas vidas que nos deixam marcas profundas como: brigas,discussões e desentendimentos.
Não podemos nos deixar levar pelo simples sentimento de ódio passageiro pois as marcas que podemos deixar nas pessoas podem ser bem mais profundas do que imaginamos.
É necessário agir com calma e cautela usando da reflexão para analisar os fatos e encontrar uma solução para o problema.

O Puro deseja um ótimo final de semana para todos !

Anúncios

Empresa

Se vocês querem se dar bem no Vestibular, não façam como o Patriota! Coloquem títulos nos seus textos!

Caiu no meu ouvido e posso dizer que foi de pára-quedas, que estão levando a Ordem DeMolay como empresa. Que estão admnistrando ela como se fosse uma. Aí a gente pára pra pensar; não é que isso é verdade mesmo.

A grande maioria dos seniores que conheço reclamam que a Ordem de hoje, não é a mesma de ontem. Eu, pessoalmente, devia essa opinião deles por suas condições de seniores. DeMolays que ficam no Oriente usando gravatas coloridas e nada mais. Mas vejo que não é isso que os levaram a pensar assim. A Ordem DeMolay está esfriando. Suas relações, suas virtudes. Parece realmente uma empresa, uma máquina. Se preocupa-se com uma funcionalidade que parece não caber aos Capítulos. Primeiro o Capítulo paga as taxas, inicia o garotinho, faz ele passar por mil treinamentos para ser secretário, tesoureiro e Mestre Conselheiro. Depois disso tudo, ensinamos que ele deve ter amor à sua mãe, que ele deve respeitar a religião dos outros, ser educado, amigo e outras coisas a mais.

Não sou contra taxas. Sei de sua importância e pago as minhas devidamente. Mas quando a Ordem DeMolay se torna uma epresa ou passa ser vista como uma, perde-se todo o tesão, toda a magia, euforia que permeia a Ordem. Misiticamente falando, parece que a Egrégora se quebra.

Para admimistrar a Ordem, devíamos ser mais DeMolays e menos empresários.

Meu maior medo é me tornar um sênior rabugento.

Bom, minhas opiniões sobre Ordem DeMolay são bem extremistas, alguns acham que são até ortodoxas (O.o’) mas é a forma como penso e tento agir.

Prometo que na próxima postagem, serei mais patriota.

O Patriota está achando que vai começar a guardar suas opiniões para si e para seu caderninho de capa preta. Quando ele for sênior, daqui há alguns anos, ele escreve um livro que fala sobre isso tudo.

– – –

De forma alguma poderia deixar passar em branco a data de hoje. Há 49 anos atrás, desencarnava nosso Fundador, Frank Sherman Land. Hoje, milhares de Chevaliers, no mundo todo, cumprirão sua  obrigação de repartir o pão com outro Chevalier ou com um DeMolay Ativo.

Nosso Fundador falava que era o princípio que importava. Devemos saber começar bem. E, creio eu, saber começar denovo.

Que hoje, nos lembremos que houveram pessoas que lutaram por sonhos. Land foi uma delas. Nós fazemos parte desse sonho e por isso, não devemos deixar ele acabar. Seja por negligência nossa ou por egoísmo de alguns.

Que no dia de hoje, possamos viver DeMolay intensamente. Assim como Land viveu.

O PURO FALANDO DE PUREZA

BOA TARDE AMIGOS DO CdPQ, QUANTO TEMPO.

Queridos Irmãos e leitores, O Puro hoje vem falar de PUREZA. Óbvio não!?!

A Pureza verdadeira, que não seja forçada. A pureza do coração, comandada pela simples vontade de fazer o que é certo, agir conforme os valores evidenciados em nossas orações, juramentos e preceitos.

A pureza do espírito.

Ser criança, é agir com pureza; Ser homem, é agir com pureza; Ser sincero, é agir com pureza; Ter a verdade derramada em suas mãos a cada gesto, a cada vontade de realizar algo.

Um beijo carinhoso dado na face da pessoa amada; Um beijo carinhoso dado na mão de sua mãe ou pai, quando lhe pede a bênção; Um beijo carinhoso dado na testa de seu filho(a); Há algo mais puro que isso.

A PUREZA, meus queridos, deve imperar em nossas ações. Devemos dar oportunidade de sermos PUROS… Mas isso VERDADEIRAMENTE, vindo do inconsciente, vindo do fundo do peito. Ser puro de ALMA E CORAÇÃO.

SEJEMOS.

O PURO – Voltando, ainda cabisbundo, mas voltando….

Aproximando da Face Divina…

Pensando na lógica em ser DeMolay e nos famosos ditos que um DeMolay deve honrar seus pais, todas as mulheres, tudo que da Pátria vem, assim também Deus como devido, penso então até onde conseguimos honrar todos estes compromissos em nosso dia a dia. Um DeMolay por si só, já tem todas as suas obrigações, muitos trabalham, estudam tem seus afazeres assi então paremos para reflexão: Conseguimos, conciliar tudo isso e ainda assim pensar em nossos deveres como DeMolays que somos?

Nas brigas e discussões em nossas casas, conseguimos nos recordar cada vez que fizemos uma luz considerada Amor Filial se acender e ser exaltada como 1ª virtude?

Nas nossas dificuldades por muitas vezes invocamos Deus, pedindo ajuda e consolo, será que em nossas felicidades também o procuramos para agradecer o quão bom tem sido?

Na correria dentro de nosso trabalho, lutando contra o relógio para cumprir tudo o que precisamos, será que ainda nos recordamos da Educação, e das tão antigas “palavrinhas mágicas” como Bom Dia, Por favor, obrigado!  Será?

Em nossas vidas será que somos exemplos de companheiros assíduos com nossos compromissos junto de amigos que sempre necessitam de nossas orientações e conselhos? Ou será que temos deixado de lado aqueles que nos apoiaram um dia?

Em nossa vida profana, seríamos exemplos corretos de fidelidade?

Seria talvez bobagem desse humilde Reverente, cobrar tudo isso, e porque não um pouco de Pureza daqueles que considera “irmãos por escolha”, e que também se comprometeram a seguir as virtudes retamente?

Quanto ao Patriotismo, agora frente às Eleições, e Campanhas, músicas e santinhos, muitas vezes cômicos, creio que é o mínimo como Patriotas que somos, ter senso e tentar votar naqueles que se dedicam à causa justa de um governo do povo, pelo povo e para o povo…Não é isso que falava aquela Cerimônia repetidas tantas vezes dentro de nossos Capítulos? Àqueles que tem um Título de Eleitor, que pensem e votem não por interesse próprio, creio que está na hora de pensarmos mais no coletivo, do que em nós mesmos.

É tão bonito dias de reunião, todos lá fazendo uma ritualística primorosa, falando cerimônias decoradas, pessoas antigas em nossa Ordem nos relembrando grandes preceitos e princípios, com uma oratória bem construída. Logo questiono, até onde tudo que falamos é realmente seguido por nós mesmos?

Depois de tudo isso apenas refletiremos, e continuemos ao menos na tentativa de sermos verdadeiros DeMolays. Estamos buscando não?!

 

O Reverente não pede que se façam santos, pede apenas que tentem colocar nossos princípios nas ações cotidianas. Até porque ele sabe que asas pesam e auréolas incomodam. O Divino não é para humanos, mas podemos tentar nos aproximar, não?