Sobre pessoas e erros

Todo mundo erra. Fato. Isso dá margem para julgamentos, acusações, defesas e, muito esperançosamente, bons recomeços. É importante que nós passemos por esses estágios, para que possamos aprender a ser mais tolerantes, mais leais aos nossos princípios e às nossas vontades. É nesse processo que formamos mais e mais nossa opinião e, conseqüentemente, nosso caráter.

Entretanto, devemos frisar que a ligação entre as pessoas e os erros é o aprendizado. Mas tem gente que não aprende. Nunca. E erra, e insiste no erro, e dá cabeçada na parede – mas não aprende. E não muda. E geralmente só piora. É esse tipo de pessoa que, a cada dia que passa, enfia mais o dedo na cara alheia para julgar e acha o cúmulo que façam o mesmo com ele. Pessoas que criticam, que usam argumentos consistêntes como purê. Pessoas que, resumindo tudo, querem ser sempre o chefinho da brincadeira. E se algum coleguinha achar ruim, pega os brinquedos e vai pra casa.

Mas ainda tem um tipo de pessoa que consegue errar mais. Aquele tipo que te dá bom dia, sorri, conversa e é super simpático, mas quando se vira as costas um montro nasce atrás da gente. É aquele tipo de pessoa que adora demonstrar companheirismo, cortesia e fidelidade a qualquer tipo de princípio, mas espera o momento oportuno para pular do barco. Isso quando não torna-se fiel somente aos seus próprios princípios, é claro… Pessoas que gostam de fazer justiça com as próprias mãos. Que comportam-se perante um “não”, mas agem obscuramente até ouvirem um “sim”. Pessoas que se olham no espelho e vêem seu pior inimigo. Enfim: pessoas que fazem de suas próprias vidas um motivo a mais para se divertir às custas dos outros.

Errar é humano. Insistir no erro é burrice. E sustentar o erro como verdade máxima é sinal de que algo de muito podre está escondido. Sejamos francos: o maior erro do ser humano é não ter controle sobre seus sentimentos. Por mais que tentemos, nosso instinto nos trai e, de alguma forma, revelamos nossas reais intenções. Um olhar, uma reticência na fala, uma palavra a mais naquele texto… E é aí que mora o perigo, é aí que o melhor ou o pior de nós pode ser alimentado e botar tudo a perder.

Vaidade é o meu pecado favorito. (Al Pacino, em O Advogado do Diabo)

Para quem sabe ler, pingo é letra.

*******

O Cortês dedica este texto a quem tem muito a perder e, ainda assim, insiste em lutar pelo que acredita. E deseja do fundo do coração que a verdade maior prevlesça e que todos sejam felizes para sempre.

Anúncios

Mentiras?

Ah! Ah! Ah!

Sra Dilma Roussef, biografias como a sua me dão orgulho de ser brasileiro.

O vídeo que posto junto a este texto, meus queridos irmãos, é uma resposta da Sra. Ministra de Estado da Casa Civil, Dilma Roussef ao senador Agripino Maia (DEM-RN) na CPI dos cartões corporativos. É uma ótima aula sobre uma postura democrática e correta em qualquer circunstancia.

O fato de mentir e esconder fatos, sob tortura não nos é muito estranho, né? 😉

As lições que tiramos daquele fato histórico, que nos é repassado nos ensinamentos DeMolays, são extremamente válidas, e ter a oportunidade de ver algo semelhante nos dias atuais “não tem preço”, como dizem!

Mas, e na Ordem DeMolay, meus irmãos? Existe espaço pra mentira? Vivemos hoje um sistema político que seja no mínimo, pouco democrático, na Ordem DeMolay? Qual a porcentagem de DeMolays que se sentem representados por seus lideres? Ah… isso é pano pra muita manga e assunto pra pelo menos mais uns 2 post’s! rsrs

Muitas vezes em capítulos DeMolays nós vemos jovens se atacando, até fisicamente, pra concorrer a um cargo administrativo dentro do capitulo. Agressões verbais, acusações, verdades e mentiras jogadas ao vento, brigas, disputas, divisões… Vale a pena? Vale a pena fazer de tudo pra conseguir ser eleito a um cargo na Ordem DeMolay?

Acredito que a harmonia, a amizade, a vontade de trabalhar e de fazer o bem pela ordem devem prevalecer. Uma amizade dentro do capitulo, é mais forte e vale muito mais do que um cargo de MC, 1ºC ou 2ºC. Um projeto administrativo dentro de um capitulo, quando formulado e aplicado em conjunto tem muito mais chances de ter mais produtividade.

A Ordem DeMolay não é igual certas plantas que precisam sofrer divisões pra crescer, sejam elas em qualquer instancia, grupinhos dentro de capítulos (ou supremos) só tendem a piorar as coisas.

Desculpem-me pelo atraso na postagem e pelo texto rápido, em breve posto mais!

Saudações!