90 anos procurando formar melhores cidadãos…

Foi no início de Janeiro de 1919 que Dad Land, atendeu o telefone e reconheceu a voz de Sam Freet, membro da Loja Ivanhoe, contando a história do Sr. Elmer Lower, Companheiro Maçom da mesma loja que havia falecido a um ano. Pelo telefone Sam, pediu a Land que conseguisse um emprego para o filho mais velho de Lower, o jovem Louis, com 17 anos na época.

Na outra tarde, ocorreu o primeiro encontro que mudaria a vida de milhares de jovens em todo o mundo, entre Dad Land e o primeiro DeMolay, Ir. Louis Lower. O jovem demonstrou uma honestidade de carater e uma aptidão natural para a liderança, roupas usadas e curtas, inocência nas palavras. Land ainda pensou, se tivesse um filho, gostaria que fosse como ele.

Louis disse ser um bom aluno, mesmo com os tempos dificeis que sua família estava passando, confidenciou ainda sua vontade em concluir os estudos e auxiliar na educação de outros. Contou a Land também sobre seu pai. Por fim, Land o contratou para auxilia-lo no escritório maçônico que trabalhava.

Neil, esposa de Land, percebeu que seu marido havia chegado diferente em casa, questionou-lhe, e ele contou sobre Lower e as impressões que tivera sobre o garoto. Neil deu a idéia para Land receber Lower e os amigos no apartamento para se conhecerem melhor.

Era meados de fevereiro e Louis levou 8 amigos para conhecer Land, apresentou cada um de seus amigos:

Extraído do discurso do Grande Orador e Ex-Grande Mestre Reese Harrison, em 18 de março de 1994:

Um pouco sobre os Nove DeMolays Originais

Ivan M. Bentley 

Vivia na vizinhança de Louis Lower. Recebeu Chevalier em 1920. Morreu em um acidente em 1921. Sua morte tornou-se o primeiro rubi no Brasão DeMolay.
Louis G. Lower

Primeiro DeMOlay, Ex-MC do Capítulo Mãe (mas não o primeiro). Chevalier em 1920. Primeiro Legionário de Honra Ativo em 28 de Maio de 1926. Assassinado em 18 de Julho de 1943. O segundo rubi.
Edmund Marshall 

Vizinho de porta de Elmer Dorsey. Chevalier em 1920. Graduado pela Universidade de Missouri. Presidente do Conselho de Comércio de Kansas City. Morreu em 8 de novembro de 1966. O quarto rubi (Frank Land foi o terceiro)
Clyde C. Stream

Primo de Gorman McBride(Primeiro MC). Foi um engenheiro técnico na Companhia Elétrica de Sagano. Aposentou-se em Bradenton, Flórida. Morreu em 3 de Maio de 1971. O quinto rubi.

Gorman A. McBride

Vizinho de Louis Lower. O segundo Demolay e primeiro MC do Capítulo Mãe. Chevalier em 1920. Foi um Membro Ativo do Supremo Conselho Internacional. Advogado por profissão. Recebeu a Cruz do Fundador do próprio Land, o único dos originais a fazê-lo. Foi Diretor de Atividades do SCI na década de 60. Morreu em 10 de Novembro de 1973. O sexto rubi.

Ralph Sewell

Morava com Louis Lower. Tornou-se Gestor de Crédito da H. D. Lee Company, a que faz os Jeans Lee. Excelente pianista e organista. Morreu em julho de 1976. O sétimo rubi.

Elmer V. Dorsey

Morava ao lado de Lower. Ex-MC do Capítulo Mãe. Um executivo de sucesso. Mudou-se para o Texas e tornou-se um Consultor do Capítulo Richardson. Morreu em novembro de 1979. O oitavo rubi.

William W. Steinhilber

Morava na vizinhança de Lower. Tornou-se um investidor e corretor de sucesso. Capitão do primeiro time de Baseball DeMolay. Morreu em 28 de Outubro de 1992. O nono rubi.

Jerome Jacobson

Morava a uma quadra de Lower. Graduado pela Universidade de Kansas, admitido no Missouri como Advogado. Prosseguiu carreira advogando e trabalhando com finanças. Morou em Kansas City toda sua vida. Faleceu em maio de 2002. O último e décimo rubi.

Todos os rapazes tinham a mesma faixa etária em torno dos 17 anos. Conheceram as estruturas do Templo do Rito Escocês e se reuniram. Depois de muito debater para um nome para a Associação, Clyde, pediu a Land que contasse sobre algo ligado a maçonaria. Land contou sobre Jacques DeMolay e toda sua história. Os garotos ficaram fascinados. E nos encontros seguintes a idéia do nome foi se auto-afirmando.

Na reunião de 24 de março de 1919, fora feita a primeira reunião do Conselho DeMolay, elegendo-se temporáriamente Gorman como Presidente e Lower como Secretário.  Decidiram que para integrar o grupo deveria-se ter ao menos 16 anos e que quando completasse 21 anos ele se retiraria da associação.

E assim meus irmãos iniciou a Ordem DeMolay, com um jovem maçom e nove garotos, motivados pelo exemplo de Jacques DeMolay. Originalmente a reunião de 24 de março, marca o início da Ordem, porém pela proximidade com o dia 18 de Março, data da morte de Jacques, adotou-se esta ultima data para ambas as situações.

Que neste dia 18 de março façamos uma reverência ao exemplo de honra e dignidade de Jacques DeMolay e também prestemos homenagens e respeito ao idealismo de Land, um jovem maçom ao incentivar a criação desta fraternidade juvenil que tem encantado jovens ao longo dos anos.

Peço ainda que essa data possa tocar as autoridades da Ordem para atender a vontade dos DeMolays e chegarem a um acordo na fatidica Audiência de Conciliação a se realizar em 14 de Abril em Brasília, conforme vem circulando no Orkut e Grupos de emails.

Anúncios

E viva a opressão! :(

Nos últimos tempos venho me acostumando com maneiras de agir não convencionais por assim dizer. Um pouco do efeito da sindrome de peter pan que venho desfrutando recentemente, mas mesmo assim não deixam de ser atitudes não esperadas para irmãos e tios que convivem no seio de nossa amada Ordem.

Enfim, o que fazer quando a vontade de vários irmãos e quem sabe de alguns Capítulos é suprimida pela vontade maior de um lider, melhor, uma autoridade DeMolay? O impeto de DeMolay Ativo que ainda tem resquícios aqui dentro, me leva a resolver jogar tudo pro alto e jogar a merda no ventilador. Mas e a maturidade do Senior? Aí sim que vem a busca de um entendimento. Mas que entendimento se as ações são motivadas por perseguição pessoal?

A Ordem nos ensina a trilhar um bom caminho para contemplarmos um trabalho bem feito e por isso não devemos nos desviar desse bom caminho, quaisquer que sejam as tentações ou tribulações que passamos. É dificil, eu sei e como sei que isso é dificil, ainda mais manter a cortesia sem afetação em situações como essas descritas acima.

Lembremo-nos do grande diferencial de um bom DeMolay para os lideres fracos que encontramos em nossas vidas diárias, seja nos estudos ou no profissional, esse bom DeMolay deve saber entender as limitações dos outros, compreender que cada um tem um desenvolvimento diferenciado e mais ainda uma forma de pensar diversa.

Por mais dificil que seja encarar a opressão da vontade dos DeMolays, da União dos irmãos, esse é um caminho que iremos encarar frequentemente nessa jornada da União da Ordem.

Porém, acredito hoje que mais vale a pena permanecer calado e deixar a Ordem seguir seu rumo, do que trazer mais problemas a tona e tirar o vislumbramento dos irmãos mais novos para com a Ordem. E eles acabarão enxergando a DeMolay como um ninho de problemas e confusões.

A Ordem não tem culpa e muito menos os irmãos mais novos, mas quem sabe se agirmos assim, teremos uma geração de Seniores DeMolays mais confiantes em sua própria instituição e nas benesses que ela pode causar. Não que não tenhamos pessoas assim hoje em dia, mas não é a maioria.

Somos uma geração de Seniores que vimos discórdia, a briga por poder, a vaidade dos homens, acabamos esquecendo de enaltecer as virtudes, portamos a coroa da juventude com dignidade mesmo assim. Mas era um periodo turbulento para a Ordem, houve prejuizos, mas não podemos admitir mais ainda.

Então vamos parar de falar de problemas e nostalgias e mostrar o que temos de bom de fato?

O Companheiro vai se comprometer a melhorar suas ações e superar tudo isso hein! A começar pelas temáticas dos posts.

Tantas emoções

Alor! ALOR? Alor! Tudo bem, pequenos?

Vocês já estão carecas (essa é pra você, demossauro!) de saber meu estilo, então lá vai mais política, eleição, etc e tal. Acho que isso tá aparecendo mais ainda por causa do momento e tudo que tem ocorrido nestas últimas semanas. Ah, se esse GMAIL falasse. E fica meu abraço pros ex-presidentes da alumni estadual das alterosas, povo bom de serviço que só! COF COF

Me estendi demais, bora lá… Alguém já parou pra pensar pra que precisamos dessa negada toda ocupando cargo? MC(insira aqui letra que corresponda a qualquer coisa), GM(idem), S(de secretário, ou seja, depois disso, pode enfiar qualquer coisa mesmo que o negócio aguenta, digo, cabe, digo, é válido) e lá vai um alfabeto partidário inteiro.

Minha visão é bem idealista: o cara que ocupa um cargo ou o almeja, o faz pelo bem geral. Por ter uma visão diferente e, por isso, idéias novas, conceitos novos. Esse cara quer mudar algo errado, quer mostrar o caminho certo (ou diferente). Enfim, é todo aquele papo de altruísmo do qual já falei quando toquei no assunto de candidatura.

Pra quem já trabalhou na estrutura da Ordem, no sentido de ocupar de fato um cargo que lide com diversos Capítulos, uma região, um estado ou mesmo o país todo, o recado é mais fácil de passar. O ponto é simples: tem que gostar demais. E esse gostar demais tem que vir carregado de uma vontade que é baseada na tentativa de melhorar as condições de trabalho no lugar onde a coisa toda tem que funcionar de verdade: no Capítulo. Essa é a razão de tantos projetos, tantas ligações, tantos encontros. Claro, existem outros motivos, mas o norte dessa vontade, dessa “ocupação” deve ser o bem-estar do outro, não o próprio.

Por isso, meus queridos, fiquem atentos a esses que aceitam um cargo por não ter mais ninguém. Esse povo é fadado ao fracasso. Tem que querer, que ter vontade, thelema. Ordem DeMolay não tem partido, não tem situação e oposição. Pelo menos não podia ter, se obedecem isso, são outros quinhentos. E fica meu abraço aos amigos das alterosas. “Quanta gente, quanta alegria.”

Se não tem pra ajudar…

Olá, hermanitos de mi corazón! Ça va bien? Opa, ando tão louco ultimamente que tenho misturado, inclusive esqueci (ops, tô bêbada?) de postar aqui na quinta passada. Deve ter sido a falta de assunto, ou assunto demais.

Então… tava ouvindo uma música da Vanessa da Mata (a música se chama Baú e é muito bonita) agora há pouco e tem uma parte que cabe muito bem:

“Vamos seguindo acordando cedo
Você só reclama não age
Você fica dormindo à tarde
E tudo vai dando nos nervos

Não corre atrás das suas coisas
Vive aqui choramingando
Todos já foram embora
Você só sabe reclamar

Rancoroso com raiva de tudo
Do fulano com seu carro novo
Não vê que ele trabalhou muito
Você pode se esforçar”

E não é que de DeMolay (e gente, em geral) assim tá cheio? E de candidato a isso e aquilo então? Tá pipocando fulaninho que só quer brincar de Cleópatra, mal sabem que na hora certa vão ser picadas pela cobra (ui).

A resposta, pessoal, é essa mesmo que a música fala: trabalhem tranquilos. Quem muito quer pra cima dos outros, principalmente levado por sentimentos de inveja e ciúmes, não costuma ir longe. E essa gente vai tomando aqui e ali, até que enfim se cansa e enfia a cabeça no seu buraco de costume.

Só pra não perder o costume – e que vale pro cotidiano extra-DeMolay: não vendam seus votos, não se intimidem com voz alta e disse-não-disse, não se deixem enganar por propostas fáceis e realizações megalomaníacas. Não se iludam com promessas de cargos, honrarias etc.

Façam por merecer e coloquem os verdadeiros líderes nos devidos lugares. A vós confio: LIBERDADE (a palavra em latim é ainda mais bonita, procurem só…) ainda que tardia.

  • Agenda

    • setembro 2017
      D S T Q Q S S
      « jan    
       12
      3456789
      10111213141516
      17181920212223
      24252627282930
  • Pesquisar