Eu passarinho…

Quem nunca na Ordem DeMolay não se deparou um dia, com alguém lhe dizendo:

 

“_Saia dessa vidinha sua, deixa de ser bobo e doar, tempo, paciência e trabalho com quem não está nem aí.”

 

Será? Creio sinceramente que o que mais vale nisso tudo não é nem o tempo, nem a paciência e nem o trabalho, mas sim o amor com que faço tudo aquilo que faço. Façamos, pois tudo que quisermos em função e bem de nossa Ordem, com o simples intuito de fazermos por amor, vontade e ânimo em querer melhorar aquilo que povde ser melhorado. Se vão ou não evoluir, melhorar os garotos espiritualmente e intelectualmente, tirar vícios e erros não me interessa. A minha parte está sendo feita pelo simples fato de AMAR a Ordem Demolay, pois ela até pode não fazer diferença na vida de nenhum outro, mas na minha faz uma diferença absurda.

Conversando com outro DeMolay por esses dias, andei refletindo bastante sobre vida pessoal e Ordem Demolay, não que esta seja uma profissão, mas as vezes é necessário refletir.

Pois bem, analisei e observei que precisava “saber conciliar mais” as duas vidas. Assim estou trabalhando pra me equilibrar e mudar aos poucos, tenho tido sucesso e está sendo bom pra mim.

 

Às vezes é necessário parar, pensar, dividir e continuar ambos os caminhos, porém agora com mais razão e equilíbrio. É tudo uma questão de consciência. Não precisa ser radical para sairmos do buraco.

E observei que nos dias de conflito interno e externo que tive nos últimos dias onde todos gritavam: “Saia! Saia! Isso já não é mais pra você!”

Foi na Ordem que encontrei alguém que disse: “Cadê você Reverente? Acorda moço! Vamos beber, cair e levantar…”

 

O Reverente continuará bebendo da maravilha chamada DeMolay, cairá ainda MIL vezes e sabe que dentro da Ordem terão mãos e mãos como em todos os lugares, umas o empurrarão, outras o erguerão. As que o erguer serão mais fortes, porque se o erguem é porque possuem algo imenso dentro de si, chamado Fraternidade. Os outros? A mão divina sabe o que faz.

 

“Todos estes que estão aí
Atravancando o meu caminho
Eles passarão
E eu passarinho….”

Mario Quintana