Verdades inconvenientes

Há um tempo atrás, assistia ao Fantástico (Rede Globo) quando o telefone tocou. Era um antigo amigo que viu um quadro e lembrou de mim. Tratava-se do Super Sincero, protagonizado por Luís Fernando Guimarães, em que um canastrão insistia em dizer sempre a verdade, mesmo quando era inconveniente. Juro que ri da desgraça alheia, porém a desgraça era eu e não sabia (ou fingia que não sabia).

Ditados populares quase sempre falam de alguma verdade. Um deles é aquele “macaco não olha para o próprio rabo”. Eis uma verdade inconveniente…

Sempre repudiei mentiras. Quando fui obrigado a mentir, optei pela omissão e paguei o preço disso. Quando não fui obrigado, falei a verdade e, olhando com calma, paguei um preço mais caro ainda…

Acordei com a dolorosa verdade de que, quase sempre, os DeMolays se fecham numa bolha chamada Ordem DeMolay. Em alguns casos, trata-se na mais pura essência da válvula de escape. E, por mais verdade que isso seja, dói.

Na Ordem, jovens que seriam normalmente rejeitados em seus extratos sociais acabam sendo aceitos (outros nem tanto). E, nesse aceite, vão optando por permanecer num lugar que ele não é apenas mais um, é um diferencial.

Essa válvula de escape é, pelo menos, melhor do que outras tantas da juventude atual como álcool e drogas. Mas, ainda assim é uma válvula. E, para sorte de alguns funciona. Para o azar de outros tantos, o doce gosto da felicidade é substituído pelo amargo saber da mentira que ele começa a ver que a vida o é…

Perdoem a ausência e a depressão. O Amoroso está tentando buscar o brilho dos próprios olhos, apagado com o andar da carruagem…