Irmãos, irmãos; erros à parte

A gente tá careca (uns mais que os outros) de saber que nem todo DeMolay é irmão e que nem todo irmão é DeMolay. Pois bem. E a gente sabe também que, uma vez iniciados na Ordem, temos que nos defender mutuamente e ter nossos irmãos com senimentos verdadeiros e respeitosos. Certo?

Errado. Nem sempre é assim. Nem sempre temos a opção de “passar a mão na cabeça” de um irmão e, quando isso acontece, é quase sempre fato que há um alvoroço gigantesco, com muita falta de compreensão e sentimento de revolta.

Nessa minha vida de DeMossauro, já tive a péssima experiência de me envolver demais com o problema de vários irmãozinhos e, por achar que meu dever de irmão é muito mais que bajular, acabei puxando a orelha quando constatei o erro deles. Pôxa, ser irmão não é isso? Não é dar aquele famoso “toque de amigo” quando algo tá fora do previsto? Então! Por que será que todos acabam virando a cara e dizendo coisas do tipo “nós somos irmãos e você deve ficar do meu lado acima de tudo”?

Me cansa esse faso moralismo de que “DeMolay defende DeMolay em todas as ocasiões”, viu? Tá que aprendemos a ser tolerantes, a respeitarmos, a sermos companheiros e a dar o benefício da dúvida… Mas se tiver que concordar com o erro para ser DeMolay eu tô fora, viu? E tem mais: faltei no Capítulo quando ensinaram isso. Eu e meus mais valorosos irmãos, inclusive.

Não sei ao certo dizer se o melhor é não se envolver demais ou se a nossa opinião deve ser explicitada desde o começo. Só sei que deviam ensinar todo DeMolay a separar mais as coisas e não achar que tem costas quentes só por ser DeMolay: é aí que o maior erro começa.

*******

Precisa falar que O Cortês cansou-se de gente assim?