Símbolo?

Há 216 anos atrás, a canção da marselhesa se eternizaria como símbolo da revolução francesa. Ou mais próximo, mas nem tanto para mim também, há 20 anos morria Abelardo Barbosa, ou, Chacrinha, símbolo de uma geração, simbolo da comunicação brasileira.

E na Ordem, qual seria nosso símbolo. Uma pessoa? Vários irmãos e tios maçons passaram pela Ordem e muitos passam ainda. É dificil dizer apenas um nome que tería de ser citado neste texto. Creio que dois nomes se sobressaem: Frank Sherman Land e Alberto Mansur, guardadas as suas devidas proporções é claro.

Land, como fundador da Ordem e grande incentivador e homem que acredita na juventude. Já Alberto Mansur, por ter trazido a Ordem para terras tupiniquins. Cada qual tem seu mérito e lembrança em cada jovem que eles puderam ajudar. A Ordem queira ou não tem formado cidadãos, tem formado homens que tem um consciência diferenciada com os problemas da sociedade.

Ainda estes dias debatiamos se valeria a pena fundar e instalar Capítulos em cidades pequenas, mesmo que eles ficassem em funcionamento 1ou talvez 2 anos. Creio que vale a pena. Falarei mais sobre isso no próximo post.

Creio que uma palavra só possa ser símbolo de Land, Mansur, de nós Jovens DeMolays: Determinação.

Sim essa palavra mostra a determinação de Land em dar um futuro diferente aos Jovens. Mostra a determinação de Mansur em trazer a Ordem e em defende-la. Mostra a nossa determinação diária em perpetuar aquilo que Land queria. Os nossos esforços em prol da Ordem e por fim da formação de jovens cidadãos. Determinação em manter um Capítulo abalado, com poucos membros, funcionando.

Creio que essa palavra sirva para refletir aquilo que a Ordem DeMolay é.

Até a próxima quarta feira pessoal.

Anúncios

Irmãos, irmãos; erros à parte

A gente tá careca (uns mais que os outros) de saber que nem todo DeMolay é irmão e que nem todo irmão é DeMolay. Pois bem. E a gente sabe também que, uma vez iniciados na Ordem, temos que nos defender mutuamente e ter nossos irmãos com senimentos verdadeiros e respeitosos. Certo?

Errado. Nem sempre é assim. Nem sempre temos a opção de “passar a mão na cabeça” de um irmão e, quando isso acontece, é quase sempre fato que há um alvoroço gigantesco, com muita falta de compreensão e sentimento de revolta.

Nessa minha vida de DeMossauro, já tive a péssima experiência de me envolver demais com o problema de vários irmãozinhos e, por achar que meu dever de irmão é muito mais que bajular, acabei puxando a orelha quando constatei o erro deles. Pôxa, ser irmão não é isso? Não é dar aquele famoso “toque de amigo” quando algo tá fora do previsto? Então! Por que será que todos acabam virando a cara e dizendo coisas do tipo “nós somos irmãos e você deve ficar do meu lado acima de tudo”?

Me cansa esse faso moralismo de que “DeMolay defende DeMolay em todas as ocasiões”, viu? Tá que aprendemos a ser tolerantes, a respeitarmos, a sermos companheiros e a dar o benefício da dúvida… Mas se tiver que concordar com o erro para ser DeMolay eu tô fora, viu? E tem mais: faltei no Capítulo quando ensinaram isso. Eu e meus mais valorosos irmãos, inclusive.

Não sei ao certo dizer se o melhor é não se envolver demais ou se a nossa opinião deve ser explicitada desde o começo. Só sei que deviam ensinar todo DeMolay a separar mais as coisas e não achar que tem costas quentes só por ser DeMolay: é aí que o maior erro começa.

*******

Precisa falar que O Cortês cansou-se de gente assim?

A Virtude Enobrece.

Engraçado como fico tentado a pensar durante as confraternizações dos Capítulos: “Somos tão diferentes e mesmo com toda essa diferença somos todos DeMolays”. Já ouvi muitas vezes Demolays dizendo que quem é DeMolay nasce DeMolay. Aí fiquei pensando: como pode? Somos tão distintos, quanto à família, história, criação, experiências de vida. Mas analisando algumas situações percebi que todos temos uma maneira semelhante no modo de pensar. Creio que a Ordem aperfeiçoa isso em nós. Ela nos faz refletir em aspectos muito parecidos e, assim passamos a agir conforme achamos devido, como DeMolays que somos.

Esse caminho de seguir ensinamentos começa em nossa iniciação, quando aprendemos coisas básicas para ser um bom DeMolay. Depois, continua com nossos trabalhos, Cerimônias, exames, cargos feitos a cada reunião, mas o principal de todos estes é o EXEMPLO. Todo DeMolay tem dentro de seu Capítulo alguém que se espelhou para ser semelhante, um aprendiz convicto com a finalidade em crescer e evoluir.

Logo, o que afirmo é que: como um dia escolhemos exemplos para seguir, seremos um dia escolhidos para ser os novos Exemplos a ser seguidos. Nossos Capítulos são rotativos e as pessoas mudam. As antigas saem em sua maioria, novas adentram nossas portas e as lições são repetidas e continuam a ser de grande efeito. Então, temos que ter um cuidado ao ser tomado como exemplos. Vigie.

Falamos tanto em Pais e Mães em nossas Cerimônias, tanto públicas quanto fechadas. E quando iniciados, somos pegos mesmo como pais. Não que sejamos velhos, mas a lógica do ser humano está em imitar para assim, aprender. Como uma criança imita seu pai nas atitudes, um DeMolay que inicia tende ao mesmo.

Talvez seja mais fácil ensinar todos os nossos ensinamentos apresentando mensagens ou cerimônias belíssimas, porém os fatos e feitos são mais eficazes que quaisquer outras palavras ditas.

Albert Schweitzer disse uma vez: “Dar o exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros. – É a única.”

Tente ao menos influenciá-los pelo lado bom da coisa.

 

http://br.youtube.com/watch?v=p-HQ0H4WdAM

 

O Reverente sabe que dar exemplo não é fácil e que muitas vezes o exemplo dado por eles é o mais eficiente. Mas enquanto exemplos, sejamos dignos de sermos os “Escolhidos”.

Orgulho ? (!) ?

Mais um final de semana perto de casa. Ou melhor, em casa. Nada melhor do que retornar, ainda que temporariamente, para a casa dos pais. Comer comida quentinha e boa. Dormir o sono dos justos e não se preocupar com ninguém pra pentelhar sobre a hora que você dorme ou acorda. Pena que foi só um final de semana…

Nas duas últimas semanas tenho resgatado um orgulho que já me foi caro, mas que voltou a me animar para trabalhar pela Ordem DeMolay. Voltei a ter um orgulho incomensurável de uma coisa boba: SER DEMOLAY!

A camisa americana com os dizeres When you’re good, you’re good. When you’re DeMolay, you’re better que rendeu um puxão de orelha na faculdade me fez sorrir. Tudo porque vi o trabalho que um Capítulo pode fazer ao ver mais de 5.000 pessoas envolvidas num evento realizado pelo meu Capítulo. Depois de CNODs de sucesso (ao que sei para ambos os SCs), voltar a encher a boca e dizer EU SOU UM DEMOLAY! não é pra qualquer um. É restrito apenas para nós: DEMOLAYS!

O Amoroso só amanhã

Assíduos leitores do CdPQ,

O Amoroso só tinha 10min para postar e como não vale a penar escrever algo em tão pouco tempo para vocês lerem, ele resolveu colocar só o aviso de que amanhã virá o post oficial.

Beijos e queijos.

Futuro Brilhante

Sábado é dia de reunião de grande parte dos Capítulos. Muita gente saindo de “terninho” de suas casas, para ir num lugar aonde só vai haver gente do mesmo sexo. Não há janelas, não há mulheres bonitas, não há bebida, não há música feliz para ser dançada, não há nada de fato que atraia um jovem em plena adolescência.

Mas lá estão eles. Quase todos os sábados. Impecáveis. Sempre de prontidão.

Admiro isso. Recentemente, um Tio comentou no Capítulo: O que prende um DeMolay à Ordem? O que será que o motiva? Afinal, ser DeMolay, é escolher ser diferente, abrir mão de muitas coisas. Nem ele mesmo sabia responder ao certo.

Nem eu sei. É como se fosse mágico.

Hoje, na reunião de meu Capítulo, refleti muito sobre isso.

De uma coisa eu sei. No que esses “sábados perdidos” vão se converter. Sei que a imensa maioria desses jovens, que abrem mão de seus fins de semana, vão se tornar cidadãos honrados. Sei que muitos deles se tornarão líderes de suas comunidades. Alguns, serão representantes diretos do povo. Bons representantes, pois em cada “fim de semana perdido”, ele aprendeu a como liderar, com virtude o que é mais importante.

Todos vão contribuir com alguma coisa na sociedade em que estão inseridos. Afinal, são DeMolays. Estão sendo “treinados” para isso.

E a cada sábado que passa, eu me pergunto cada vez mais, o que prende um jovem à Ordem. E também aumenta muito minha certeza em um futuro melhor.

O Patriota acredita em um Brasil melhor, feito por DeMolays.

UM DEMOLAY CHORA

Fala gente boa do Caí de Paraquedas… Pois é, semana passada estava eu com uma “dor de corno” dos diabos… felizmente consegui levantar a cabeça, resfriar o pensamento e seguir adiante…. Mas o post de hoje, vem em forma de reflexão…

Até que ponto nós demolays nos preocupamos com nossas atitudes… A gente já parou pra pensar em como estamos escrevendo nossa história, que legado eu estou deixando para meu capítulo? Eu estou pensando duas vezes antes de tomar uma atitude ou uma decisão, e será que com isso eu não vá machucar alguém?

Somos fortes de verdade? Conseguimos nos sobrepor sobre as coisas vis que todos os dias batem à nossa porta…. enfim… Vamnos refletir…. Virar os “zóios” pro lado de dentro e começar a pensar no que estamos fazendo.

Para ajudar, segue um poema bem reflexivo…. rssss

UM DEMOLAY CHORA

 

 Um DeMolay chora

Exemplo do que é certo

Extremo que separa

O bom do ruim

Também chora

 

Ele expressa sua dor

Ao ver tudo que aprendeu ir a pique

Num oceano sujo e tentador

 

Ele chora

Ao ver suas virtudes

Serem pisadas e abatidas

Por golpes de irresponsabilidade

Desunião e perfídia

 

Ele chora

Quando deixa a cólera profana

Tomar seu cérebro e seu corpo

Fazendo-o cometer atos vergonhosos.

 

Nós, jovens virtuosos,

Choramos literalmente

Ao ver um irmão, ou nós mesmos

À mercê da insanidade impura

De mentes vazias.

O Puro – Refletindo pra caramba