Pequeno manual de etiqueta para DeMolays (parte 2)

OK, eu disse que voltaria ainda na semana passada, mas nem deu. Não me esqueci da promessa e trago para vocês a continuação da nossa listinha!

*******

4- Hospedagem: A mala tá pronta, o dinheiro tá garantido, todo mundo fechou a ida no busão… E onde é que você vai dormir quando chegar lá no congresso? Mais uma vez, a prevenção pode salvar a sua vida. Se for apenas uma viagem a outra cidade até rola de pedir abrigo na casa de um irmãozinho, mas quando o assunto é congresso a coisa complica. Geralmente os Capítulos/Conventos anfitriões nunca têm tempo para nada e tudo o que os DeMolays daqueles lugares menos querem é mais uma dor de cabeça nesse momento tão insano que é a organização de um evento DeMolay. A vantagem é que esses irmãos são sempre muito bonzinhos e pensam nos que viajam léguas e querem um canto para descansar: alojamentos grátis e hotéis a preços de banana são itens que as comissões organizadoras geralmente oferecem. Portanto, procure se informar onde você vai ficar, se tem que levar roupa de cama/colchão/travesseiro e se todos da sua comitiva ficarão juntos no mesmo lugar: assim, é mais fácil negociar carona com o motorista da excursão.

5- Conduta: Depois de todas essas dicas infalíveis para não dar gafe na próxima viagem de seu Capítulo, só me resta pregar a virtude a qual defendo. Educação nunca é demais e é de se esperar que DeMolays não tenham apenas noção disso. As famosas palavrinhas mágicas obrigado, por favor e com licença abrem portas e não te deixam com cara de mal educado. Sabe todas aquelas lições de etiqueta que a mãe da gente nos ensina a vida toda? Pois é: na casa dos outros, elas são usadas triplicadamente. Simples e nem um pouco difícil. A gente é que não é muito acostumado a essas “frescuras”. Arrumar sua cama, não deixar a bagagem esparramada, estender a toalha molhada: pequenas ações que não quebram a sua mão e mantêm os dentes na sua boca o clima de harmonia entre os povos.

6- +18: Nem todo DeMolay fuma. Nem todo DeMolay bebe. Nem todo DeMolay transa. Não quero pregar aqui nenhum tipo de conduta lasciva ou que faça apologia ao uso de drogas, mas a gente há de convir: nossa organização é formada pelo público alvo da indústria do tabaco, do álcool e do sexo. Para os adeptos de uma ou mais dessas opções de lazer e entretenimento (independente da idade, já que os vícios começam cada vez mais cedo): saibam ter bom senso em todos os momentos. Não fume em ambientes fechados, não beba perto dos mais novos e guarde seus comentários mais promíscuos para usar entre quatro paredes.

*******

Acredito que ainda tenha mais um monte de dicas perdidas por aí. Sugestões são bem-vindas na caixinha de comentários e, quem sabe, podem até render a parte 3, hein?

*******

O Cortês nunca se sentiu tão “carola” depois dessas dicas, mas sabe que é por uma boa causa.